I ENCONTRO INTER-REGIONAL DE TRABALHADORES ESPÍRITAS

Quando? 21 de julho de 2012

Local? Sede História da Federação

Horário? das 08h30 às 18h

As vagas são limitadas, favor enviar email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. informando a área de interesse (Estudo ou Atendimento Espiritual).

 

TEMA: Vazio Existencial e o Centro Espírita: um compromisso com a sociedade

É com sentida emoção que tomamos contato com a dinâmica na qual se desenvolvia o trabalho nos primeiros núcleos cristãos. É tocante ver a Casa do Caminho, sob as orientações bondosas de Simão Pedro, recolhendo dois doentes desconhecidos e desenganados, acometidos por um mal misterioso e voraz que estava consumindo muitas vidas, apesar da objeção de Tiago. É sensibilizador a admoestação de Pedro ao companheiro, dizendo que não estavam em uma pescaria comum, onde o produto poderia ser desprezado se não fosse do agrado, mas estavam a serviço do Cristo e se, em suas redes de caridade, surgiam aquelas criaturas, eles deveriam fazer o que estivesse ao alcance para acolhê-las. E foi assim que surgiu para o movimento cristão Estevão. Do outro que chegava com Estevão nada sabemos, mas podemos guardar a certeza de que também teve a sua história pessoal modificada pela força do amor dos dedicados seguidores do Cristo. As pessoas sempre buscaram a Casa do Caminho em suas dores extremas, frequentemente rejeitadas pela família e pela sociedade, mas com a esperança de serem ouvidas, acolhidas, cuidadas em suas emoções e talvez até curadas em seus corpos. Muitos deixavam as dependências simples, em Jerusalém, para nunca mais voltarem, aparentemente livres do seu mal, mas a maioria das pessoas continuava lá, com suas muletas, suas feridas, suas histórias de dor. E permaneciam lá se nutrindo do amor e da esperança de Jesus, preparando-se para os cometimentos do futuro, para as novas encarnações.

Hoje os tempos são diferentes, assim como as necessidades reais e as percebidas pelas pessoas. As necessidades materiais ainda existem e não podem ser esquecidas, ainda se multiplicam as possibilidades de auxílio neste campo, mas surge uma nova aluvião. Este movimento que arrasta as pessoas para viverem miseravelmente ainda que na opulência. Esta corrente que arrasta milhões de criatura para mortes prematuras, seja a “morte em vida”, na qual os indivíduos se arrastam dolorosa ou indiferentemente por um mundo que não lhes motiva, ou a morte do corpo, em incontáveis casos de suicídios diretos e indiretos, em dores que parecem não ter fim.

Nossos grandes centros urbanos apresentam uma nova face para o sofrimento: são as dores que não se localizam, mas que roubam a alegria e até mesmo a vontade de viver. Multidões se percebem sem sentido para viver, desgostosas com a sua condição atual e não sabem a quem recorrer.

As Instituições Espíritas devem se preparar para desempenharem o seu papel de postos de socorro providencial no mundo material, qualificando-se para balsamizar estas chagas com o remédio salutar do Evangelho. Infundir fé e esperança, esclarecer e iluminar, cuidar e acolher são alguns dos maiores desafios do nosso momento de Transição Planetária e é a religião que tem uma posição privilegiada para prestar este serviço.

É por isso que os membros da inter-regional Leste estão todos convidados a participar deste seminário, que deve discutir estratégias para estes desafios. Ficaremos durante todo o Sábado refletindo sobre como podemos ajustar nossas instituições, em especial nos setores de Atendimento Espiritual e Estudo da Doutrina Espírita, com vistas a este cenário, buscando resgatar o papel social da instituição religiosa conforme os princípios deixados por Jesus e os cristãos do primeiro século.